Nós por cá... na saúde

Neste blog poderá encontrar de tudo um pouco, sempre relacionado com a saúde em particular com a Enfermagem... Aqui terá acesso à saúde pelos olhos de estudantes de Enfermagem

sexta-feira, outubro 28, 2005

Hora da despedida...

Este é o meu último post neste blog foi com muito empenho que me dediquei a esta causa e a este espaço... depois de mais de 6000 visitas e de inumeros posts uns com mais sentido que outros... despeço-me de vós com todo o respeito... e desejandO a todos os qunatos visitaram e contriburam neste blog as maiores felicidades do mundo...
quero ainda agredecer a professora Elizabete Barbosa... todo o empenho e dedicação assim como paciencia que teve em nos ajudar a tornar este espeço possivel...




A TODOS UM BEM HAJA E ATÉ SEMPRE...

quinta-feira, outubro 20, 2005

Nós por cá... serviço interno ( Horário de Enfermagem 3ª ano- 24 a 28 de Outubro de 2005)


O facto de o horário ser aqui publicado não impede a sua consulta no placar do Isave... Consulte o placar, sempre! ( Não nos responsabilizamos por mudanças posteriores no Horário... o nosso muito obrigado)

domingo, outubro 16, 2005

Posso viajar ou ir de ferias?








Pode viajar mesmo para fora do país, desde que consiga cuidar eficazmente do seu estoma. Caso viaje separadamente da sua bagagem é conveniente levar consigo um saco de reserva.




(continua...)





Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

sábado, outubro 15, 2005

... e o banho, como é que faço ?






Pode tomar banho como fazia antes, com ou sem saco de acordo com a sua preferência. Caso as fezes sejam mais líquidas será preferível tomar banho com o saco







(continua...)


Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

sexta-feira, outubro 14, 2005

Posso usar as mesmas roupas que usava anteriormente ?


Sim, apenas deve ter cuidado em usar vestuário que não exerça pressão directa sobre o estoma ( por exemplo, roupa interior demasiado apertada e cintas com partes rígidas, cintos à altura do estoma, calças apertadas ).

(continua...)





Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

Nós por cá... serviço interno ( Horário de Enfermagem 3ª ano- 17 a 21 de Outubro de 2005)


O facto de o horário ser aqui publicado não impede a sua consulta no placar do Isave... Consulte o placar, sempre! ( Não nos responsabilizamos por mudanças posteriores no Horário... o nosso muito obrigado)

sexta-feira, outubro 07, 2005

Nós por cá... serviço interno ( Horário de Enfermagem 3ª ano- 10 a 14 de Outubro de 2005)




O facto de o horário ser aqui publicado não impede a sua consulta no placar do Isave... Consulte o placar, sempre! ( Não nos responsabilizamos por mudanças posteriores no Horário... o nosso muito obrigado)

quinta-feira, outubro 06, 2005

Como devo colocar o saco de colostomia ?


É recomendável que a colocação do saco se faça na posição em que geralmente vai permanecer enquanto o tiver posto. Assim por exemplo, para colocar o saco que vai utilizar durante o dia, faça-o pela manha estando de pé ou sentado. Para a noite, para se deitar, é recomendável colocar o saco na posição de deitado. Poderá também ser útil colocar o saco em frente de um espelho.

Quanto à fixação do saco em redor do estoma, é importante que o sistema de fixação evite a fuga de fezes pois estas irritam a pele. A abertura do saco ou da placa que o suporta depende do contorno do estoma; este por sua vez sofre alterações ao longo do tempo.

Na mudança do saco deve retirar o adesivo delicadamente e na direcção do crescimento dos pelos. Deverá limpar a pele suavemente sempre que colocar um novo saco.


(continua...)






Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

quarta-feira, outubro 05, 2005

Que cuidados devo ter com o meu estoma ?




Prevenir os problemas de pele é muito mais fácil que tratá-los. Por isso é importante uma cuidadosa limpeza da pele e o uso de adequados dispositivos de recolha (placas e sacos). Sendo assim, deverá:

• Manter a pele que está debaixo do saco, limpa e seca.
• Limpar a pele circundante ao estoma com agua morna e sabão neutro, sem friccionar demasiado.
• Não usar produtos irritantes ( como perfumes, álcool, éter, etc...)
• Não usar cremes depilatórios nem rapar os pelos em redor do estoma, poderá corta-los com uma tesoura.

(continua...)


Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

terça-feira, outubro 04, 2005

O que é uma colostomia ?




O termo colostomia designa a união à parede abdominal anterior de uma porção do cólon, com o fim de permitir a evacuação de fezes e gases. Esta evacuação dá-se por um orifício chamado estoma.
Podemos dizer que o cólon ou intestino grosso cumpre uma função de absorção dos líquidos e sódio (por ex. o sal) da dieta. Pode-se viver normalmente sem cólon, porque a digestão, tem lugar antes que os alimentos cheguem até esse lugar.
As principais consequências de se retirar uma parte do cólon são:
• à medida que o intestino delgado substituir o cólon na absorção dos líquidos.
• A saída de fezes vem acompanhada de enzimas que são substâncias que

servem para decompor os alimentos. No início as fezes serão mais fluídas, ganhando lentamente consistência. Por isso podem irritar a pele.



(Continua...)



Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

segunda-feira, outubro 03, 2005

Dúvidas mais frequentes dos colostomizados - Parte I



Tal como tu, existem mais pessoas que vivem com uma colostomia. Inicialmente enfrentaram dificuldades, mas com um conhecimento adequado acerca da sua situação, conseguiram tratar adequadamente da sua colostomia e atingiram um bom nível de bem estar físico e psicológico.


Para que isto aconteça, é imprescindível estar bem informado, assim como ter o apoio de profissionais de saúde e daqueles que o rodeiam.
Para isso elaboramos este guia que pretende dar resposta às dúvidas mais frequentes dos colostomizados.


(Continua...)
Este guia foi elaborado por Susana Pereira e Pedro Silva, alunos do ano complementar de Enfermagem 1999-2000 da Escola Superior de Enfermagem de São João durante o Estágio de Saúde Comunitária realizado no Centro de Saúde de Arcozelo.

segunda-feira, setembro 26, 2005

O Enfermeiro e a morte




Na prática profissional hospitalar é muito frequente que surjam dificuldades e erros de informação e comunicação com os doentes e familiares, reconhecidos pela grande maioria dos profissionais. As atitudes, o paternalismo unido à subprotecção dificulta o processo de autonomia do doente. É muito comum o médico e a família estabelecerem um pacto ocultando a verdade ao doente, considerando que este não está capacitado para assumir a verdade.
Os métodos inadequados, no que se refere a metodologia básica de comunicação são devidos à falta de formação nesta área e podem ser classificados em verbais e não verbais. Entre os primeiros destacam-se: a mentira, o evitar, as dúvidas, a distância física, a interposição de barreiras, o acto de não se sentar, de olhar e manifestar sinais não-verbais das nossas dificuldades. Ignorância/falta de formação, impede-nos de ter em conta mecanismos de adaptação, o “não saber o que dizer”, ou não conhecer as técnicas básicas de comunicação, falta de suporte pessoal e de trabalho em equipa podem impedir a compreensão e consequente criação de esforços para a sua resolução.
Os próprios profissionais podem manifestar dificuldades pessoais de adaptação ao processo de morrer incapacitando-os de atender doentes numa situação difícil de doença avançada. Este tipo de dificuldades sentidas têm de ser reconhecidas numa tentativa de resolução num contexto solidário de uma equipa.
Na medida em que a morte é uma questão assustadora, temida e incômoda, o trabalho no hospital, onde o contacto com a possibilidade ou ocorrência da morte é constante, pode provocar sentimentos muito intensos nos profissionais de saúde como medo, angústia, ansiedade, sintomas físicos e outros.
A morte de um paciente causa um impacto muito grande na identidade pessoal e profissional de toda a equipe que cuida do paciente. O modo como o profissional compreende o conceito de morte, bem como a forma que relaciona este conceito com sua própria existência e as suas vivências pessoais de perdas anteriores dentro e fora do âmbito profissional, são aspectos que influirão na sua actuação diante da morte.
Pacientes e familiares projectam no profissional de saúde aspectos emocionais decorrentes da situação de hospitalização e/ou da gravidade da doença, o que leva o profissional a utilizar-se de mecanismos de defesa, para proteger-se da ansiedade gerada pela pressão dos pacientes, familiares e também pela cobrança pessoal.
A negação da morte é um mecanismo constantemente utilizado pelos profissionais, o que acaba por impossibilitar o reconhecimento das angústias do paciente e familiares frente a morte, não favorecendo a elaboração do luto.
As manifestações públicas de sofrimento são interditadas e o trabalho do enfermeiro deve ir na direcção contrária a esta interdição, procurando facilitar a manifestação dos sentimentos. Por este motivo, encontra grande resistência ao tentar ultrapassar o "pacto de silêncio" instalado nos hospitais.
Não há suporte profissional institucionalizado para ajudar a enfrentar a morte. A vivência do stress pelo contacto constante com a possibilidade e a ocorrência da morte pode ser pensada como uma vivência de um “luto do profissional” em relação aos pacientes perdidos e à situação de trabalho.

Actuação do Enfermeiro perante o momento da Morte

Para que o fenómeno da Morte seja encarado com serenidade pelo enfermeiro, este deve prevê-la como inevitável. Assim deve ter como atitudes:

- Comunicar a situação terminal do doente, conforme a vontade e capacidade de aceitação do doente.
- Ter respeito pela diferença, cada doente tem o seu modo de estar na vida.
- O doente raramente esta isolado, os familiares podem ajudar ou perturbar.
- Compartilhar, deixar a pessoa expressar os seus temores e desejos.
- Diminuir a dor, o sofrimento e a angustia.
- Auxiliar correctamente o doente a assumir a morte como experiência que só ele pode viver.
- Toda a equipa deve ter um comportamento idêntico, linguagem, em relação a informação dada ao doente para não existir contradições.
- Promover a vivência da fase final de vida no domicilio sempre que possível.

domingo, setembro 25, 2005

Nós por cá... serviço interno ( Horário de Enfermagem 3ª ano- 26 a 30 de Setembro de 2005)


O facto de o horário ser aqui publicado não impede a sua consulta no placar do Isave... Consulte o placar, sempre! ( Não nos responsabilizamos por mudanças posteriores no Horário... o nosso muito obrigado)








Mais um ano começa... e mais uma vez nos encontramos aqui a disponibilizar informações uteis a todos aqueles que por razões diversas não as possam consultar no Instituto...


Desejamos a todos um decorrer de ano lectivo cheio de sucessos...

segunda-feira, setembro 19, 2005

Nunca pensei dizer isto...


As férias estão a acabar... :) até que enfim... já não suportava mais estar em casa... eheheh

sábado, setembro 10, 2005

Dia Mundial do Coração

Por iniciativa da “World Heart Federation”, no próximo dia 25 de Setembro, domingo, é assinalado o Dia Mundial do Coração, este ano sob o tema: Corpo em Forma, Coração Saudável.

A Fundação Portuguesa de Cardiologia, como membro da Federação Mundial do Coração, tem a incumbência de dinamizar as actividades do Dia Mundial do Coração em Portugal.

O principal objectivo desta iniciativa é reforçar a importância da realização de actividades físicas e desportivas e de um estilo de vida activo para um melhor coração e uma vida mais saudável.

No Dia Mundial do Coração, a Fundação Portuguesa de Cardiologia, em parceria com o Instituto do Desporto de Portugal, e com a colaboração da Direcção Geral da Saúde, o Instituto Português da Juventude e a Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular pretende mobilizar a população portuguesa para a participação em actividades físicas e desportivas, promovidas pelas Câmaras Municipais e por outras entida

des locais.

Neste evento a nota dominante será a realização de actividades desportivas abertas à participação de todos os cidadãos, dirigidas a ambos os sexos e a todas as idades desejando-se que as acções decorram o mais próximo possível das pessoas.


Informações: ligue 213 815 000 ou consulte o site do Dia Mundial do Coração.

quarta-feira, julho 27, 2005

Do barbeiro ao salão de beleza


Os homens (ainda) não se maquilham, mas arranjam as unhas, pintam o cabelo, fazem massagens, limpeza de pele e cirurgias plásticas.

Com naturalidade, foram trocando o barbeiro da esquina por conceituados salões de beleza. Em busca de um visual mais refinado, ali encontram a mesma panóplia de cuidados que é tradicionalmente oferecida a uma mulher.

Limpar, tonificar, esfoliar e hidratar são os novos vocábulos do léxico masculino.

Mas precisarão eles dos mesmos cuidados? De facto, há diferenças, sobretudo a nível da pele. A masculina é naturalmente mais oleosa, mais seborreica e com tendência para a acne.

Daí que seja mais susceptível à contaminação. Com o tempo, as células mortas acumulam-se em torno da região das orelhas, do peito e das costas, abrindo caminho a um campo de infecções importante.

A pele masculina também é mais resistente do que a feminina, demorando mais a denunciar as linhas de expressão. Menos delicada ao toque, necessita de ser esfoliada para adquirir suavidade.

O acto constante de barbear deixa vestígios esteticamente desagradáveis: os pêlos encravados - ou foliculite - requerem um peeling semanal, que, além disso, elimina as células mortas e o excesso de oleosidade.

É bem verdade que os homens não sofrem o drama da celulite, mas em contrapartida a calvície deixa-os à beira de um ataque de insegurança. Em matéria de estética, ficar careca é o grande medo deles.

Mas é preciso que se tranquilizem: já há tratamentos. Quando a desertificação capilar ainda vai no início, há medicamentos de uso oral à base de finasteride que ajudam a travar o processo, mas devido aos seus efeitos colaterais devem ser sempre aconselhados por um profissional de saúde.

Quando as clareiras são demasiado visíveis, então a solução passa pelo microtransplante folicular, uma técnica de implante que não deixa vestígios.

quarta-feira, junho 22, 2005

Gala de Solidariedade

A Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama organizou uma Gala de Solidariedade no dia 23 de Junho pelas 21 horas no Auditório da Aula Magna.

Conta com a participação de vários artistas (Jorge Palma, EZSpecial, "Gato Fedorento" e tantos outros), que vão actuar gratuitamente, bem como com os apoios da RFM, FNAC e Fargin (Div. Farmácia do Grupo Tecnifar).

Bilhetes à venda na FNAC por 20,00 euros.

O valor da venda dos bilhetes reverte totalmente a favor da Associação e servirá para a abertura de uma Linha de Atendimento SOS, que vai funcionar 24 horas por dia.


segunda-feira, junho 06, 2005

Chá: já bebeu o seu hoje?




Os supermercados são invadidos de marcas e diferentes sabores de chás. Uns alegando propriedades curativas, outros apenas para o fazer degustar uma boa bebida, o certo é que começa a ser uma realidade presente a consciência de que o chá faz bem e sabe bem.

Com a chegada recente ao nosso mercado do chá branco, resolvemos fazer uma síntese dos benefícios que pode retirar desta preciosa bebida.

Mais de metade da população mundial bebe chá, calculando-se assim que se ingiram cerca de dois mil milhões de chávenas de chá por dia.

Em Portugal, o consumo tem aumentado, sobretudo nas camadas mais jovens, com a introdução do chá verde no nosso mercado. De acordo com fontes oficiais da Lipton, em 2004 o mercado do chá em Portugal cresceu 3 a 5%, passando de um quase exclusivo consumo caseiro e familiar para uma maior abertura ao seu consumo nos locais públicos.

Ainda assim, está longe de atingir as dimensões de outros países, onde a consciência dos benefícios que esta simples bebida pode trazer ao organismo está mais enraizada.

Para ter uma ideia, as mesmas fontes referem que em Portugal se consomem, em média, uma chávena de café por dia, mas apenas duas chávenas de chá por mês. E o chá preferido é o de cidreira, sendo que não é um verdadeiro chá – é uma infusão de ervas - e, por isso, não se pode retirar dele os benefícios que o chá pode trazer para a saúde.

Perante tudo isto, vamos tentar convencê-lo a introduzir nos seus hábitos alimentares uma a duas chávenas de chá por dia. Se aceitar, já agora, damos-lhe mais um conselho: experimente o novo chá branco!



terça-feira, maio 10, 2005

Algumas fitas...

Este post não tem nada a ver com enfermagem... mas tem a ver com aquilo que eu acredito... e a saúde do academismo está em perigo. este site que encontrei bem de certa forma mostrar o quanto é bom viver a universidade, como é bom passar por este periodo de uma forma arejada livre e airosamente...
Vivam e deixem viver...
aqui fica o endereça de uma página que vale a pena visitar na minha humilde opinião... http://www.pontom.pt/fitas/





domingo, maio 08, 2005

Mês de Maio dedicado à Obesidade nos Jovens



Mais um Mês do Coração, em que a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) irá aproveitar para relembrar aos portugueses os riscos das doenças cardiovasculares. Em 2005, o problema da Obesidade nos Jovens, que ultimamente tem sido bastante debatido, é o mote para as actividades que irão ser promovidas no mês de Maio.

Uma em cada três crianças é obesa ou tem excesso de peso e a Fundação não ignora esta realidade. É precisamente devido aos maus hábitos alimentares adquiridos nos últimos tempos, que a população começou a ter problemas cardiovasculares cada vez mais cedo, e estes passaram a ser uma preocupação de todos e não apenas dos mais idosos, como se poderia pensar.

A abertura oficial do Mês de Maio será marcada por uma Sessão Solene, que contará com a presença de várias personalidades da Fundação Portuguesa de Cardiologia, a ter lugar em Coimbra, mais precisamente no Mosteiro de São Jorge Mil Réus.

Durante todo o Mês do Coração irão decorrer rastreios cardiovasculares em vários pontos do País, bem como a “Regata do Coração” no Estuário do Tejo, o Peditório Nacional e a rubrica reservada ao aconselhamento à população, na rádio, como já vem sendo hábito.

A FPC marcará também presença na Feira da Saúde, em Vila Viçosa, entre os dias 5 e 7 de Maio, e na 1ª Liga de Futebol, com a participação nos jogos que decorrem no domingo 8, bem como nas comemorações do Dia Nacional de Luta Contra a Obesidade.

Entre os dias 13 e 15 de Maio, poderá dirigir-se ao Estádio Universitário de Lisboa e participar no Desafio pelo Coração. Já para os amantes de uma mesa saudável sugerimos a frequência do “Curso de Alimentação Saudável”, que irá decorrer nos dias 24 e 25, na Academia dos Sabores, em Lisboa.

No Dia Mundial sem Fumo, que se celebrará no último dia daquele mês, a tónica será a de um “Coração Livre”.

A nível europeu decorrerá a reunião anual da “European Heart Network” (rede de organismos ligados à prevenção das doenças cardiovasculares), que terá lugar em Madrid, de 17 a 21, e que contará com a presença de diversos representantes europeus na matéria.

Junte-se a nós, participe nas actividades da Fundação, e ajude-nos a educar os mais novos, para juntos evitarmos que este se torne num mal ainda maior.

Dr. Luís Negrão
Responsável “Mês do Coração